Dor de lado: saiba o que é e como evitar a inimiga dos bons treinos

3 out 2013

Ela aparece quando um triatleta muda da natação para o ciclismo. Quando o corredor faz treinos de tiro, com velocidade acima do que está acostumado. Quando o caminhante volta a se mover depois de uma temporada de inércia. A famosa “dor nos flancos”, pode aparecer do lado direito ou esquerdo, mas é sempre incomoda e, freqüentemente, limitante.

– Existem várias teses que tentam explicar de onde vem a dor lateral. A mais atual é que seria de um ligamento que sustenta o fígado e o baço. Durante o exercício físico, ele poderia entrar em fadiga causando a fricção do órgão – explica o médico José Carvalho.

Como a dor geralmente aparece em momentos de esforço intenso e respiração ofegante, é instintivo tentar eliminá-la mudando a forma como se inspira ou expira, o que até causa resultado parcial. Mas o médico adverte que a principal causa da dor não está na respiração.

– Ela não é necessariamente ligada à respiração, mas sim à fadiga. Você estressou seu corpo e uma parte dele está reclamando – completou.

Por isso a dor de lado é mais comum em quem faz exercício aeróbico de alta intensidade, acima do limiar anaeróbico. Na explicação mais simples, esse é o limite entre o exercício confortável e o exercício desconfortável, ao cruzar a fronteira todos estão mais sujeitos à dor.

– Quando a dor aparece, a primeira a coisa a fazer é diminuir a intensidade. Se estiver correndo, ande, se estiver andando, pare – disse.

Mas existem formas de diminuir a chance que dor de lado apareça seguindo três recomendações básicas. A primeira é aumentar gradualmente o volume e intensidade de treino para que o corpo se acostume com o esforço. A segunda é fortalecer o core, a musculatura abdominal e lombar que sustentam o corpo. A terceira é ligada a alimentação, se fazer exercícios em jejum é ruim, comer demais é pior ainda.

– Refeições muito pesadas e grande quantidade de líquidos consumidos antes ou durante o treino aumentam a incidência da dor –explicou o doutor José Carvalho.

Na coluna semanal do Eu Atleta, o fisiologista Turíbio Barros já havia adiantado a importância dos cuidados com a alimentação pré-treino. Advertiu que a presença de muito conteúdo no estômago atrapalha o movimento descendente do músculo diafragma, muito exigido durante os exercícios.

– Se houver conteúdo no estômago o músculo se comprime contra este obstáculo mecânico causando a compressão do diafragma. Isso ocasiona prejuízo da perfusão sanguínea, provocando dor. Por isso é desaconselhável iniciar uma atividade com conteúdo alimentar no estômago –  explicou Turíbio.

O tempo de esvaziamento do estômago depende do volume ingerido, do estado físico e da composição, sendo que alimentos com baixa concentração de proteínas e gorduras têm digestão mais rápida.

– A indicação é que

de carboidratos, como pães, frutas e sucos naturais, de uma a duas horas antes do exercício – explicou o fisiologista.