Atletismo Master: Em 2º, Brasil tem melhor desempenho na história

28 out 2013

No primeiro Mundial de Atletismo Master realizado na América do Sul, não foram as delegações locais que chamaram a atenção. Os atletas dos Estados Unidos tiveram o maior número de medalhas no quadro geral e foram os campeões do evento realizado em Porto Alegre.O Brasil encerrou em segundo, com 137 medalhas (49 de ouro, 50 de prata e 38 de bronze).

A delegação norte-americana foi a quarta mais numerosa do evento, com 240 competidores. Direto de San Francisco, na Califórnia, Bob Lida, de 76 anos, foi um dos vencedores que ajudaram a garantir a soma ao país. Com medalhas de ouro nas provas de 100 e 200 metros rasos, tratou com bom-humor o desempenho.

– Acho que conquistamos porque somos muito bonitos – brincou ele, entre risos. – Na verdade, nós somos muito competitivos. Cobramos uns dos outros e inclusive disputamos resultados entre nós. Também temos o costume de treinar forte.

Apesar da vitória americana, o Brasil teve o seu melhor desempenho entre todas as 20 edições da competição. Antes do Rio Grande do Sul, o recorde de medalhas havia sido na Itália, em 2007, com 48. Na oportunidade, 118 atletas do país estiveram presentes.

O presidente da Associação Brasileira de Atletismo Master, Franciso Hypólito, sabe que o resultado é relacionado, principalmente, com o número de competidores presentes – a delegação local contou com a participação de 578 pessoas inscritas. Mesmo assim, não deixou de comemorar:

– Ficamos à frente de países muito tradicionais no atletismo, como França e Inglaterra – destacou, animado.

O WMA reuniu, de 16 a 27 de outubro, 4.158 atletas de 82 países, divididos em 14 categorias, dos 35 aos 99 anos, e competindo em 27 modalidades. Entre as provas estiveram o salto em altura, em distância, triplo e vara, lançamentos de dardo, discos, martelo, arremesso de peso, além de competições de rua.